image          

Caminhada marca Dia de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

Crédito/fonte: Por Adriana Pinto / Agência Pará de Notícias - Data: 16 de junho de 2018


image

Entidades governamentais e não-governamentais de assistência à pessoa idosa promoveram uma manhã de sensibilização em alusão ao Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, comemorado nesta sexta-feira (15). A programação contou com uma caminhada e apresentação cultural no Parque Estadual do Utinga, em Belém, e foi promovida pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa (Cedpi).

A caminhada iniciou às 7h com um alongamento, e teve a participação de mais de 200 pessoas de grupos de apoio ao idoso. O percurso começou no novo pórtico de entrada do Parque e se estendeu até o Mirante, onde foi realizada uma aula de fisiotaishi – mistura de fisioterapia com técnicas chinesas. No total, os participantes percorreram três quilômetros.

“É importante chamar atenção da sociedade para o tema, é algo que precisa ser debatido e combatido. Todos nós um dia seremos idosos e devemos ser tratados com mais carinho e amor. Além de ser um momento de integração e de mostrar a nossa saúde”, disse a participante da programação, Nazaré Silva.

Assistência

A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) mantém há 19 anos o projeto Vida Ativa na Terceira Idade que atende, atualmente, mil idosos em cinco pólos na Região Metropolitana de Belém. O projeto tem por objetivo a melhora da qualidade de vida e do convívio social por meio da atividade física e do lazer.

“A criação e implantação de projetos e políticas públicas para os idosos são direitos de uma sociedade que está vivendo cada vez mais. É o resultado de ações voltadas para a manutenção do bem estar físico e social”, explicou a coordenadora do Vida Ativa, Liane Costa.

As aulas de hidroginástica, natação, caminhada, ginástica, aerodança, dança folclórica, alongamento, voleibol e yoga são ministradas por professores da Secretaria de Educação (Seduc), através de cooperação técnica entre as secretarias.

O Estado do Pará conta atualmente com dois abrigos na RMB: O Nosso Lar Socorro Gabriel, localizado no bairro de Val-de-Cães, e o Lar da Providência, localizado no bairro de Souza. Mais do que um abrigo, as unidades representam um lar para os idosos que geralmente, não têm família, foram abandonados ou sofreram maus tratos.

As unidades, coordenadas pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), são preparadas para acolher casos de alta complexidade, em que muitas vezes os vínculos familiares dos abrigados estão totalmente comprometidos.

Nos espaços são oferecidos atendimentos por equipe multiprofissional, composta de assistentes sociais, médico, psicólogos, fisioterapeutas, terapeuta ocupacional, enfermeiros, monitores, auxiliares administrativos, agentes de portaria, cozinheiros e técnicos de enfermagem.

“Participar desse tipo de ação é muito importante para eles, porque é uma programação diferente. Além disso, para nós como abrigo estadual, o evento vem para ressaltar a importância que de a sociedade pensar nessa causa, já que todos nós um dia seremos idosos e devemos ser tratados com mais carinho e amor” afirmou a gerente do Lar da Providência, Lilian Gusmão.

Combate

O Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2006 e tem por objetivo sensibilizar a sociedade para o combate a violência cometida contra a pessoa idosa.

“O principal combate é a prevenção. Temos que continuar incentivando a denúncia, é necessário que todo e qualquer tipo de violência, abandono, maus tratos ou crime sejam relatados”, reiterou delegada na Delegacia de Proteção ao Idoso (DPID), Regina Tavares.

O Pará possui a DPID da Polícia Civil, unidade vinculada à Diretoria de Atendimento aos Grupos Vulneráveis (DAV), localizada na rua Avertano Rocha, n° 417, entre travessas São Pedro e Padre Eutíquio, bairro da Cidade Velha, em Belém. As denúncias também podem ser feitas pelo Disque 100 e Disque Denúncia 181.

Colaboração (texto): Mayara Albuquerque (Ascom/Seaster).





Feira Pan-Amazônica do Livro supera expectativa de venda e é encerrada com música

Crédito/fonte: Por Syanne Neno / Agência Pará de Notícias - Data: 11 de junho de 2018


image

A autêntica guitarrada paraense e a sensualidade dos ritmos latinos marcaram o encerramento da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro, neste domingo (10), no Hangar- Convenções e Feiras da Amazônia. Um “grand finale” para o evento que este ano teve a Colômbia como país homenageado. Bruno Benitez, Mestre Solano e o grupo Mundo Mambo empolgaram o público do evento com o show “Salsa com Jambu”.

A programação final confirmou o sucesso de público da Feira do Livro. Em nove dias, o evento recebeu cerca de 400 mil pessoas, que tiveram à disposição 219 estandes, 450 editoras e 750 mil exemplares à venda. Mais de 18.400 pessoas visitaram as atividades técnico-científicas e auditórios; 800 pessoas prestigiaram o “Ponto do Autor”, e 393 escolas de 37 municípios marcaram presença.

“Enquanto leitor e pai pude confirmar que a Feira manteve o bom nível dos últimos anos. É muito bom perceber que a minha filha lembra até hoje de uma peça que ela assistiu aqui, no ano passado. Além do estímulo à leitura infantil, a programação traz cultura para os pequenos”, disse o marítimo Gilmar Soares, 35 anos, que foi à Feira acompanhado da esposa e dois filhos, de 6 e 4 anos.

Atrações e interação com o público

A Feira reuniu uma programação diversificada, voltada para um público formado por universitários, professores, crianças, jovens e adultos. Nos cinco Encontros Literários, os visitantes puderam interagir com grandes nomes, como a historiadora carioca Mary Del Priore e o escritor português Walter Hugo Mãe. Walter é considerado um dos maiores nomes da literatura portuguesa e chegou a ser referendado por José Saramago como o “tufão literário”.

O escritor paraense homenageado neste ano foi o poeta Age de Carvalho, que recebeu a deferência com surpresa. “Para mim foi um presente enorme, que me deu uma alegria imensa. Foram dez dias de uma programação maravilhosa. Tive duas apresentações na Feira e mais a chance da exposição que foi a melhor que eu já fiz até hoje, qualitativamente falando. Fiz mais duas apresentações na UFPA, mediação de mesa, entrevista para o Sem Censura, foi muito atribulado, mas fiz com muito prazer. Foi muito importante, não só pela dimensão da homenagem, mas por ser o segundo maior evento paraense. Receber essa homenagem, vinda de Belém, da minha tribo, foi muito gratificante”, pontuou Age.

A programação do “Papo-Cabeça” levou especialistas nacionais para debates sobre temas da atualidade com estudantes de escolas públicas. A programação cultural apresentou a “Mostra Pan-Amazônica de Música”, com ritmos Pará-Latinos. Entre as atrações da Feira, a pajé marajoara Zeneida Lima encantou o público, representando a sua vida através de cânticos de pajelança.

A Feira Pan-Amazônica do Livro ofereceu, ainda, mais de 20 oficinas gratuitas, além de seminários, com foco na literatura da América Latina e da Colômbia. Durante a programação, foi realizado também o I Encontro Pan-Amazônico de Bibliotecas, organizado pela Fundação Cultural do Pará (FCP), e o Seminário da Pan-Amazônia Leitura, Práticas de Leitura e Bibliotecas na Pan-Amazônia, organizado pela Unamaz.

O sucesso da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro foi comemorado pelo secretário de Estado de Cultura, Paulo Chaves. “Essa Feira teve tudo para não dar certo, com a greve dos caminhoneiros e a incerteza dos livreiros, que vinham de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Brasília, trazendo toneladas de livros em carretas paradas nas estradas. Apenas três expositores desistiram, com medo, e os que investiram, ganharam. Em uma feira que normalmente se leva oito dias para montar, esta foi montada em um dia e meio, um recorde. Essa Feira não copia nenhuma feira do livro no Brasil. Pelo contrário, ela é referência. Ela é um investimento institucional que entrega nas mãos do povo, dos que se interessam pela literatura, pela leitura, pelo conhecimento, pela arte em geral, uma oportunidade de encontro”.

Em 2017, a XXI Feira Pan-Amazônica do Livro rendeu 14 milhões de reais. Antes do encerramento, já havia superado expectativa de venda, com mais de R$ 14, 5 milhões comercializados, dentre os 95 mil títulos à venda. Com R$ 3,4 milhões liberados para os trabalhadores da Educação, o Credlivro incrementou as vendas da Feira.

Ana Catarina Brito, diretora de Cultura da Secult, disse que “a Feira manteve, surpreendentemente, o padrão do ano passado. A cada ano, a gente vai crescendo um pouquinho. Mesmo com todo esse contexto e a greve dos caminhoneiros, que ameaçou a realização de outros eventos do tipo, o Governo do Estado decidiu sustentar a realização da Feira e hoje vemos que foi uma decisão acertada. A gente está muito feliz com isso".





PUBLICIDADE CB NEWS

image

Previsão de Tempo CPTEC/INPE

Parceiros Correio Bragantino News

Click aqui !!!
Rádio Ajuruteua transmitindo sua programação musical com qualidade sonora de 96 kbps AAC+. Click no banner e acesse o site da emissora

Crônicas & Opiniões

image
image
image
image
image
image
Click nos links para ler as crônicas

Sites de Rádios e Serviços Regionais

- Emissoras de Rádios AM e FM e serviços de Som da cidade de Bragança-Pará